domingo, 19 de outubro de 2008

Amor sem Rosto.

Amor sem rosto
João Batista Neres – 19/10/2008.

Meu olhar sem brilho, sem amor, sem paixão.
Meu corpo não satisfeito, carente de seu toque.
Minha boca sem o gosto de sua boca.
Minha mente pensando como seria o seu amor.
Acho que morrerei e não descobrirei seu sabor.
Meu amor não tem um rosto não tem corpo.
Meu amor é fantasia de mente,
Há vezes sou pintor, crio em meu ser sua aparência.
Um dia é um rosto novo que vi na rua.
Outro dia é alguém impossível para mim.
Não sei como achar meu amor, não sou de gueto.
Nicho nem pensar detesto separação.
Meu amor deve estar em qualquer lugar.
Segregação jamais. Somos iguais a todos.
Acharei você na multidão, a questão é onde.
Preciso com urgente de você, do seu sexo.
Não preciso mentir, não tenho tempo a perder.
Tem urgência em te encontrar,
Sem o vigor de minha mocidade, não há por que te encontrar.
Preciso de você agora, meu desejo quer se entregar,
E meu corpo não aceita se entregar por entregar.
Assim posso saciar-me a qualquer hora.
Mas prefiro minhas noites sem sono,
Sem paixão, pensando onde anda meu amor.
Digo que te quero, de você não me esqueço.
Eu te espero, você chegará,
Meu corpo, minha alma saberá quem você é.
E então tudo que há de bom em mim pertencerá a você.
Pois sei que será bom te pertencer.
E meu corpo vai saber o que é amar sem reserva.
E você vai abrir a porta de minha solidão.
E vai me amar, colocar sentimento dentro de mim, tirar o vazio.
E meu sorriso não será sem graça.
Brilhará e propagará seu amor.
Você estará em mim e eu estarei em você.
E então deixarei de procurar e,
Não vou mais pensar que o amor é utopia.
E meu existir dependerá de você.
Pois não quero ser mais livre. Quero ser de você.
Para sempre.

Um comentário:

Queijo disse...

Que Deus realize os seus sonhos... ehehe! Felicidades!